Artigos

 

Setembro2015

Janeiro2015

Outubro2014

Agosto2014

Abril2014

Janeiro2014

Dezembro2013

Outubro2013

Setembro2013

Julho2013

Junho2013

Maio2013

Abril2013

Março2013

Fevereiro2013

Janeiro2013

Dezembro2012

Novembro2012

Outubro2012

Agosto2012

Julho2012

Junho2012

Maio2012

Abril2012

Março2012

Fevereiro2012

Janeiro2012

Dezembro2011

Novembro2011

Outubro2011

Setembro2011

Agosto2011

Julho2011

Junho2011

Maio2011

Abril2011

Março2011

Fevereiro2011

Janeiro2011

Dezembro2010

Novembro2010

Outubro2010

Setembro2010

Agosto2010

Julho2010

Dezembro2009

 

28/09/15 - 20:24 . Lançados recentemente, os dois modelos são sucesso de venda e disputam a atenção no segmento de utilitários-esportivos

Dois novatos estão balançando o mercado de utilitários-esportivos (SUVs) compactos: o Renegade e o HR-V. Ambos foram lançados no primeiro trimestre e já ultrapassaram, em número de emplacamentos, o Ford EcoSport e o Renault Duster, que então lideravam a categoria. O modelo da Jeep, inclusive, foi o preferido dos consumidores na primeira quinzena de julho, ao passo que o resultado acumulado de janeiro a junho mostra ampla vantagem para o rival da Honda. Tal como ocorre com alguns astros do UFC, eles tiveram carreiras meteóricas e rapidamente conquistaram seu lugar ao sol. Nada mais natural, então, que colocar os dois frente a frente em um duelo.

Apesar de atuarem no mesmo segmento, os dois modelos mostram técnicas distintas para entrar na briga. Exatamente como em um vale-tudo! O HR-V tem uma pegada mais urbana, com estilo mais agressivo e menor altura em relação ao solo. Já o Renegade é mais parrudo e evoca o off-road desde o design até a maior altura em relação ao solo. O motor de ambos é 1.8 16V. O da Honda é mais potente, entregando 140 cv a 6.500 rpm com etanol e 139 cv e 6.300 rpm com gasolina, enquanto o rival desenvolve 132 cv com o combustível vegetal e 130 cv com o derivado do petróleo, a 5.250 rpm. Por outro lado, o propulsor do Jeep gera mais torque: são 19,1 kgfm com etanol e 18,6 kgfm com gasolina, a 3.750 rpm, contra 17,3 kgfm a 4.800 rpm e 17,4 kgfm a 5.000 rpm, respectivamente. O câmbio é automático em ambos, com seis marchas no Renegade e do tipo CVT que simula o mesmo número de marchas no HR-V.

Em ação

Apresentadas as habilidades de ambos os oponentes, é hora de colocá-los no octógono. Na prática, em desempenho, apesar do equilíbrio entre os números, o HR-V mostra superioridade em relação ao Renegade. O SUV da Honda arranca com mais agilidade e retoma velocidade com maior rapidez. Isso ocorre, principalmente, em função da diferença de peso entre ambos: enquanto o japonês registra 1.276 kg na balança, o norte americano tem 1.440 kg de massa corporal. Quase uma briga entre peso-pena e peso-pesado, que, no caso, acaba beneficiando o primeiro.

Porém, nem tudo é desempenho, e há outros quesitos que devem ser avaliados quando o assunto é dirigibilidade. O acerto de suspensão, por exemplo, agrada mais no Renegade, que tem melhor compromisso entre conforto e estabilidade: ele absorve bem as imperfeições do solo e entrega ótimo controle direcional em curvas. Já o HR-V tem um acerto mais durinho, que o deixa muito estável, mas, por outro lado, faz com que os ocupantes sintam mais os impactos provenientes de valetas, quebra-molas, buracos e outros obstáculos

A transmissão, por outro lado, agrada mais no Honda. Seu funcionamento linear, típico do sistema CVT, faz com que ele responda sempre na medida certa aos comandos do acelerador, e ainda traz seis marchas virtuais caso o motorista queira operar o sistema de modo sequencial, por meio de aletas no volante. Já o Jeep, que traz uma caixa automática convencional, com conversor de torque e seis velocidades, não efetua os câmbios sempre nos melhores momentos: a central eletrônica “segura” demais as marchas, mantendo o propulsor girando alto em situações nas quais isso não é necessário, embora também existam paddle-shifts para trocas sequenciais. A direção tem assistência elétrica em ambos e apresenta resultados igualmente satisfatórios, leve em manobras e firme em alta velocidade, graças à boa progressividade. Os freios, a discos nas quatro rodas com ABS, são igualmente eficientes nos dois modelos. Neste round, os dois SUVs ficam empatados.

Espaço

Em termos de habitalidade, o Renegade volta a abrir vantagem em ergonomia, com todos os comandos bem-posicionados. Embora ambos tenham banco do motorista e volante ajustáveis, o HR-V comete falta porque esse segundo componente tem aro muito fino, que dificulta a pegada, e pela localização das entradas USB e auxiliar do sistema de som, instaladas em um nicho no console central – esse recurso é até interessante do ponto de vista estético, pois faz parecer que a peça tem “dois andares”, mas o manuseio é pouco prático.

Por outro lado, o competidor da Honda dá o troco no espaço interno maior, principalmente atrás: além de apresentar vão mais generoso para as pernas, o SUV nipônico ainda dispõe de assoalho plano, que libera a área para os pés do quinto ocupante. O HR-V também é superior na capacidade o porta-malas: seu bagageiro comporta 431 l, contra apenas 260 l do rival. É verdade que essa vantagem é explicada, em parte, pelo uso de um estepe temporário, mais fino; no Jeep, ele tem as mesmas medidas dos demais pneus. Ainda assim, pela ampla vantagem em espaço, o HR-V vence o round.

Construção

A luta prossegue, e chega a hora de mostrar as habilidades em qualidade de construção. Ambos se saem bem nesse quesito, com carroceria sem desalinhamento entre as peças e interior bem-acabado, com peças milimetricamente encaixadas. Nesse aspecto, porém, o Renegade mostra-se superior, pois utiliza material emborrachado em quase todas as superfícies do painel, enquanto no HR-V o plástico convencional é predominante. Além do mais, o Jeep apresenta melhor isolamento acústico. No Honda, é possível ouvir o ronco do motor com mais intensidade dentro do habitáculo, especialmente em rotações mais altas.

Os dois chegam ao round final empatados. O que irá decidir o confronto é o consumo de combustível. Ponto para o HR-V, que foi sempre mais econômico: nas mãos do Carro&Cia, ele cravou 7,7 km/l na cidade e 9,4 km/l na estrada, enquanto as marcas do Renegade foram de 6,5 km/l e 8,9 km/l, respectivamente. Ambos estavam abastecidos com etanol.

Vencedor

No fim, o HR-V leva o cinturão por triunfar em desempenho, habitalidade e consumo de combustível. O Renegade, por sua vez, superou o adversário em nível de equipamentos e em qualidade de construção. Em dirigibilidade, os dois empataram. Como se vê, a luta foi equilibrada e decidida por poucos pontos.

Iron Blindados


  • R. Joaquim Manoel Macedo, 92 A
  • (11) 3392-3747

01136-010 - Barra funda

Iron Blindados


  • R. Joaquim Manoel Macedo, 92 A
  • (11) 3392-3747

01136-010 - Barra funda