Artigos

 

Janeiro2015

Outubro2014

Agosto2014

Abril2014

Janeiro2014

Dezembro2013

Outubro2013

Setembro2013

Julho2013

Junho2013

Maio2013

Abril2013

Março2013

Fevereiro2013

Janeiro2013

Dezembro2012

Novembro2012

Outubro2012

Agosto2012

Julho2012

Junho2012

Maio2012

Abril2012

Março2012

Fevereiro2012

Janeiro2012

Dezembro2011

Novembro2011

Outubro2011

Setembro2011

Agosto2011

Julho2011

Junho2011

Maio2011

Abril2011

Março2011

Fevereiro2011

Janeiro2011

Dezembro2010

Novembro2010

Outubro2010

Setembro2010

Agosto2010

Julho2010

Dezembro2009

 

29.06.12 - 09:43 . Spin é a minivan duas em uma da Chevrolet

Spin

A popularidade das minivans foi efêmera no Brasil. Depois de uma fase de destaque no começo da década de 2000, elas têm penado com a concorrência dos utilitários esportivos e de seus “derivados” mais urbanos, os crossovers. E não há nenhum mistério nisso. Um ix35, por exemplo, cumpre quase todas as tarefas de uma Zafira, exceto no quesito versatilidade - e esses modelos são bem mais atraentes para os consumidores.

Mas seu destino não é tão amargo quanto o das peruas, que foram reduzidas a um nicho quase invisível. As minivans têm um público cativo, que gosta da sua praticidade, posição de dirigir mais alta e espaço interno, mas cada vez mais fica claro que a faixa de preço de maior potencial está em torno de R$ 50 mil, o que significa ser o passo seguinte de quem tem um sedã compacto e tem uma família em crescimento.

É com essa receita que a Nissan faz sucesso com a Livina e sua irmã maior, a Grand Livina, um produto mais simples e racional, que abre mão da beleza em favor de soluções práticas.

A General Motors, embora não admita, seguiu a mesma fórmula ao desenvolver a minivan Spin. O modelo – que a montadora chama de MPV, ou veículo multiuso – abandonou o formato monovolume para investir num design mais robusto, que flerta com a ideia dos utilitários esportivos. Por isso, a frente é alta e volumosa e a traseira tem um corte quase vertical.

Ao vivo, a Spin não chega a encher os olhos, a frente é o ponto mais agradável, e é bem mais aceitável que seu irmão sedã, o Cobalt, com o qual compartilha muitas peças, como câmbio e suspensão.

Mas, ao contrário do três-volumes, a minivan usará apenas o motor 1.8 8V Econoflex, uma evolução dos motores produzidos no País. Diferentemente da linha Ecotec, que equipa Cruze e Sonic, o propulsor é mais simples e privilegia o torque, que chega a 17,1 kgfm com etanol, maior que o 1.6 16V do compacto coreano, para dar um exemplo. Mas a potência nominal é baixa, de apenas 108 cv, 32 cv a menos que o Ecotec 1.8.

Fonte: iG carros

Iron Blindados


  • R. Joaquim Manoel Macedo, 92 A
  • (11) 3392-3747

01136-010 - Barra funda

Iron Blindados


  • R. Joaquim Manoel Macedo, 92 A
  • (11) 3392-3747

01136-010 - Barra funda